Brasileiro vai trabalhar na Índia, viaja 8 países e olha o vídeo que fez

Sim, o título é sobre exatamente a minha pessoa e o vídeo está no final da página.

Eu sei que ainda estou contando sobre a Índia aqui no blog e nem comecei a falei sobre o mochilão que fiz depois de morar lá mas a questão é que a aventura já acabou e eu preciso postar a retrospectiva disso tudo aqui.

Então vamos lá, a minha experiência em dados:

mapsme

  • Ao total foram 01 ano e 04 meses, 16 meses, saí em maio de 2016 e voltei em outubro de 2017.
  • Foram 08 meses trabalhando e 08 viajando sozinho à “low cost”.
  • Trabalhei em um call center na Índia, fiz bico em um restaurante em Auroville e fui voluntário em um hospital no Mianmar.
  • 12 pessoas passaram pelo apartamento que morei. 04 do Brasil, 01 da Indonésia, 01 da Bolívia, 01 da Noruega, 02 do Egito, 01 do Senegal, 01 da Argentina e 01 da Botswana. 04 eram muçulmanos.
  • Li Drucker, Gandhi, Einstein, Hesse e Fukuoka, nessa ordem. Ok, também li Paulo Coelho vai (vou ficar devendo as resenhas).
  • Passei por 08 países: Índia, Nepal, Tailândia, Mianmar, Laos, Vietnã, Indonésia e Malásia. Foram 11 meses na Índia, 40 dias no Nepal, 20 dias no Mianmar, 02 semanas no Laos, 20 dias no Vietnã, 03 meses na Tailândia, 25 dias na Indonésia onde passei por 06 ilhas e 03 dias na Malásia.
  • “Ganhei” 04 adesivos e 20 carimbos no passaporte.
  • Subi 01 montanha na Índia, fiz uma trilha de 08 dias nos Himalaias do Nepal e subi 03 vulcões na Indonésia.
  • Fiz 03 retiros espirituais, 02 na Índia e 01 no Nepal. 02 budistas e 01 hindu. Em um deles, fiquei 10 dias sem falar, com 09 sessões de uma hora de meditação todos os dias.
  • A meditação entrou pra valer na minha vida.
  • Parei de comer carne.
  • Reduzi drasticamente meu consumo de álcool.
  • Aprendi as principais palavras chave em hindi, aprendi a falar “oi” e “obrigado” em 04 línguas do sudeste asiático, “brinde” em algumas língua européias e me esforcei pra aprender espanhol em todos as oportunidades que tive mesmo sem nunca ter estudado, hoje já consigo interagir bem nesse idioma.
  • Conheci não só os países que passei mas pude aprender muito com pessoas de todo o mundo que cruzaram meu caminho, estando sozinho, aberto e com um olhar observador. Fiz amigos do mundo inteiro, procurei enxergar as semelhanças no próximo, respeitei as diferenças, pude entender muito das diversas culturas, problemas e características dos povos. Hoje me entendo enquanto cidadão do mundo. Enquanto latino. Enquanto brasileiro. Enquanto nativo em português brasileiro. E… Enquanto um Cosmopolita.

Ok, fiz tudo isso e saiu esse vídeo:

É… Toda esse experiência foi muito intensa e relevante para mim… De fato, mudou minha vida.

Claro que ainda tenho MUITA estória pra contar dessa aventura toda, então se preparem pra surra de postagens do O Cosmopolita ano quem vem!

Bom fim de ano

O Cosmopolita

 

 

 

 

Anúncios

12 palavras em hindi para se virar na Índia

Conforme disse no post sobre idiomas, é bem tranquilo se virar na Índia falando apenas inglês já que em geral, os indianos falam 3 línguas: hindi (nacional), língua regional (do estado) e inglês.

Mas têm algumas situações como por exemplo pegar um rickshaw (tuk tuk) ou comer na rua em que a pessoa pode não saber falar inglês então é interessante saber algumas palavras-chave em hindi para conseguir se comunicar.

Palavras-chave em hindi

Sobrevivi um ano na Índia praticamente com esse grupo seleto de 12 palavras-chave, haha! Sabendo essas 12 palavras, é possível fazer um verdadeiro diálogo dando a entender que você realmente fala hindi.

Bora lá:

1) Irmão = Bhaaya (pronúncia: báia)

Essa é uma palavra mágica! Serve tanto pra se referir a um homem tanto em ambientes formais (exemplo: falar com o balconista de um lugar formal) quanto informais (exemplo: chamar a atenção de um motorista de rickshaw na rua). Passa bastante credibilidade e faz as pessoas te darem atenção.

Além disso, bhaay é usado com um sufixo de nomes, para se referir à alguém pelo nome de forma respeitosa. Por exemplo, o nome do meu gerente no trabalho era Amit, então meus colegas muitas vezes o chamavam de “Amit-bhaay”.

Uma curiosidade é que só é usado para nomes hindus e não mulçamanos, um colega de trabalho me disse soar estranho em um nome de muçulmano (que são diferentes).

Outro detalhe é que bhaaya só é usado para homens. Afinal, significa “irmão”. Mas não se preocupe, na Índia, você interage com homens na grande maioria do tempo.

2) Tchau, partiu, vamos = Chalo (pronúncia: tchalo)

Essa é uma expressão MUITO comum entre os indianos, pode ser usada pra se despedir (tchau), ou como “estou indo, partiu!” ou até pra acelerar a galera pra ir embora (vamo!).

3) Chega, suficiente = Bas (pronúncia: bãs)

Outra expressão MUITO comum, pode ser usada tanto pra alguém parar de colocar comida no seu prato quanto para o motorista do rickshaw (tuk tuk) encostar o tuk tuk imediatamente.

4) Sim = Haan (pronúncia: rã)

Essa é bem fácil, é tipo um AHAM sem o primeiro “A”, ficando só o “HAM”, ela é bem compreensível por brasileiros devido essa assimilação. Nós tendemos a achar falta de educação quando você está contando alguma coisa e um indiano fica “ham! ham! ham!”, parecendo que ele está duvidando de você! Haha! Mas ele está concordando!

5) Não = naheen (pronúncia: nem)

Assim como o haan, essa também é bem fácil de aprender devido a assimilação com o “NEM”.

6) Quanto custa? = Kith-naa? (Quanto?) (pronúncia: kítina)

Essa é interessante saber já que muitos vendedores ambulantes não falam inglês e você sabendo falar isso, pula aquele parte de apanhar tentando se expressar com alguém que não entende inglês.

Quanto aos números, na grande maioria das situações na Índia, se fala em inglês. No ano que morei lá, passei por pouquíssimas situações que a pessoa não sabia os números em inglês. E ainda tem essas moedas pra facilitar:

2 cents

7) Água = pani (pronúncia: pãni)

Esse é tipo de palavra que você só vai precisar usar caso ninguém saiba falar inglês mas lembro de uma situação no meu primeiro mês na Índia que fiquei uns 2min tentando comprar água numa barraquinha na rua pedindo “water” com inglês americano (pronúncia: uórêr). Saber falar “água” no idioma local é sempre bom, e pani é bem fácil de decorar.

8) Olá = namaste (pronúncia: namastê)

Provavelmente a palavra mais famosa em hindi mas ao contrário do que muitos pensam, namaste não significa “obrigado”. Namaste é uma saudação bem formal e respeitosa. Claro que se você usar namaste como obrigado e as mãos juntas, os indianos vão achar fofo e responder com outro namaste, mas não, namaste não significa obrigado, namaste é uma saudação. E sinto muito frustá-los, é bem pouco usada, eles dizem mais “hello” que namaste.

9) Esquerda = Baanyee (pronúncia: bánia)

10) Direita = Daaye (pronúncia: dáia)

11) Reto = seedaa (pronúncia: sida)

Essas palavras são muito úteis para dar ou receber direção de um lugar, principalmente com motoristas de rickshaw (tuk tuk) que normalmente não falam NADA de inglês. Claro que você pode apontar mas saber essas palavras pode ajudar.


Acredite se quiser, é possível fazer verdadeiros diálogos só com essas palavras-chave e palavras da situação que você estiver como querendo ir à algum lugar ou comprar alguma coisa na rua.

E algumas expressões como “bhaaya”, “chalo”, “haan” e “naheen” pode dar grande credibilidade para você em situações como barganhando alguma coisa e evitar um golpe já que parece que você fala hindi e supostamente sabe se virar bem na Índia.

12) Um pouquinho = tora tora (pronúnica: tóra tóra)

Ao pé da letra, “tora” significa “pouco”. Repetida duas vezes, significa “um pouquinho”. Pelo que pude perceber, isso se repete em outros idiomas asiáticos. Enfim, essa expressão pode ter pouca utilidade mas tem uma utilidade importante. Quando você faz um diálogo com um local só usando as palavras ensinadas acima e um indiano te perguntar em inglês: “do you speak hindi?” e você responder “tora tora”, vai ganhar bastante credibilidade.

Não, eles não puxam conversa em hindi a partir dessa resposta. A conversa morre ali e o indiano sai com cara de bunda. Rs!

Com ou sem esse vocabulário, caso você tenha dificuldade de se comunicar em algum lugar na Índia, procure o primeiro jovem que passar por perto que é bem provável que ele fale inglês.

Mas já aviso: na Índia eles têm um orgulhinho de não saber responder “eu não sei”, o que muitas vezes podem te dar uma informação errada ou então essa pessoa parar uma outra pra te ajudar e quando você for ver já vai ter uma multidão de pessoas enroladas que não conseguem te ajudar e só vão tornar a situação ruim. Então vai de você identificar quando isso estiver para acontecer e fugir dali! Haha!

Chalo 😉

O Cosmopolita